quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

febre

Ontem, 10:30 da manhã. Profe liga para avisar que Nina está com febre. Peço para medicar com paracetamol gotas e observar. Ela não estava apresentando nenhuma alteração pela manhã, quando acordou.
Às 12 horas ligo para saber como ela está. Bem. Dormiu, comeu, brincou. Às 14:30 a professora liga novamente. Febre. Saio para busca-la e a levo para casa.
Em casa, às 16 horas, dou um banho e medico novamente. Desta vez com dipirona. A febre não cede. Outro banho e as 20 horas, mais medicação: ibuprofeno.
Ela come, mama, dorme. E continua quente. Falo com o pediatra e ele diz que ela precisa ser examinada
Embora detestemos isso (Nina só foi uma vez para a emergência e porque caiu do trocador, nunca por causa de alguma doença, febre, dor, nada...), resolvemos levá-la para a emergência. Não quis esperar até amanhecer. A febre não cedia.  Antes de sair, lá pelas 23 horas, resolvi medir a temperatura e estava em 38.4°. Dei paracetamol bebê.
Saímos. Àquela hora. Tenho medo de sair de casa à noite, quase madrugada. Mas tinha mais medo de a febre subir e passar a noite sem saber o que fazer. Embora ela estivesse dormindo, eu não conseguiria dormir. Precisava levar, pelo menos para o médico dizer: não é nada. Só observa.
Chegamos e fomos atendidos relativamente rápido para uma emergência que está sempre cheia.
(abre parênteses)
Nina nem parecia um bebê doentinho. Assistiu tv, tomou água no copo de plástico, dançou, cumprimentou as pessoas, fez tchau pro papai quando saíamos para caminhar - e ficar longe das demais crianças doentinhas.
(fecha parênteses)
Após uma hora da medicação, a febre estava em 38.2°. 
Esperamos e fomos atendidos pela pediatra de plantão. Ela examina a pequena e diz não haver nenhum sinal (ainda) de infecção na garganta e ouvidos. Comento que ela anda babando muito, mas que como dizem que dente não dá febre, me preocupei. Ela examina a gengiva da moça e diz: são os caninos rasgando a gengiva. E quando isso ocorre, a febre não é mesmo do dente. Pode vir de alguma infecção, virose, pois o corpo fica mais suscetível a esse tipo de coisa por estar mais exposto. Mas, se a febre não passar em 36 horas -até sexta pela manhã), uma consulta com o pediatra dela deve ser feita e exames devem ser realizados (sangue e urina) para ver o que está ocorrendo.
Saímos da consulta mais tranquilos. Melhor se certificar de que não é nada grave do que deixar e depois aparecer algo sério. E conseguimos dormir, todos.

Hoje pela manhã Nina ainda estava quentinha: 37.5°. Dei paracetamol bebê e fiquei observando. Não teve mais febre e então a levei para a escola. E (espero), FIM!

Nina, de pulseirinha do hospital, esperando
na emergência para ser atendida.
Bem comportada!

2 comentários:

  1. Amiga, se Deus quiser essa febre vai sumir de vez! aqui nem dou paracetamol mais, só ibuprofeno e é como tirar com a mão!

    Melhoras para essa princesa, vou orar por vocês!

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Nãooooo! Medico é chato quando o tema é criança, hein... E olha esse cabelinho, parece os fiozinhos de milho novo... Linda... bjs Sara rapido, hein :D

    ResponderExcluir

Nós AMAMOS quando você comenta!!